• pt-br
  • en
  • es

19
mar-2014

Meninos caçadores (Parte I)

_8566023817 _0773461457

Ansiosos, gestos rápidos e falas curtas, os meninos insistem em nos levar ao mangue para armar ratoeira e pegar gaiamum (uma espécie de caranguejo). É de manhã, quarta-feira, o almoço e a escola chegarão em breve, mas não há argumento que os convença de que aquele não é um momento adequado.

O combinado é ser breve, achar o local, armar a ratoeira e voltar. Impossível, já deveríamos saber. Caçar não é algo que se faça com tempo marcado, com regras externas a própria caça. Quando se sai para caçar é necessário deixar o tempo para trás e viver o tempo do animal, o tempo do momento presente, do estar ali intensamente.

As ratoeiras eram emprestadas, o que gerou uma tensão extra para essa caça, afinal, é preciso largá-la armada com uma isca e voltar outro dia para verificar se o gaiamum caiu ou não na armadilha. Caso um outro grupo de meninos passe por lá e encontre a ratoeira, certamente não a deixará intacta no local. Perder essa ratoeira significaria se explicar para o dono, além da tarefa de confeccionar uma nova.

Confeccionar uma ratoeira tornou-se ainda mais difícil desde o momento em que os fabricantes de óleo de cozinha resolveram que suas embalagens não seriam mais de lata e sim de plástico. Aliás, não só a ratoeira, mas inúmeros brinquedos sofreram adaptações depois que os fabricantes de óleo tomaram essa decisão.

_3556718165

Achar o buraco na lama habitado pelo gaiamum exige saberes específicos sobre as fezes desse crustáceo. A consistência e o local onde foi deixado dão sinais se há ou não um habitante ali.

Os meninos mal podem nos explicar o que fazem, estão absolutamente mergulhados no chão e absortos em captar os sinais do ambiente. Certo, vamos apenas acompanhar os gestos deles e compreender o que tiver que ser compreendido baseados exclusivamente nesses gestos.

Certificado que há gaiamum morando ali dentro, tiram o limão do bolso e espremem algumas gotas dentro do buraco. Um tempero atrativo para que saia mais tarde em busca de alimento.

_3291001770

_5027041043

Chegou o momento de armar a ratoeira. Gestos finos, pouca fala, precisão nas mãos… bem diferente daquela ansiedade logo pela manhã. Agora o tempo é de silenciar o corpo e entrar no gesto do caçador que não desperdiça movimentos. Um pedaço do limão é delicadamente posicionado no interior da ratoeira, de tal forma, que ao mínimo toque seja acionada o fechamento da “portinha”. Uma engenhoca incrivelmente funcional.

_7040921654

_3377658418

Tudo armado, agora é hora de voltar para casa e se arrumar para ir para a escola e, ao final do dia, voltar para verificar se o gaiamum comeu a isca, certo? Não. Ir embora agora? Isso é uma missão quase impossível. E todos os outros caranguejos que estão pedindo para serem caçados? Como os olhos desses meninos podem ver essas criaturas, sem serem impulsionados a capturá-los? Como entrar em uma sala de aula logo depois de armar ratoeira? Com que corpo esses meninos, ainda sujos de lama, vão conseguir sentar a frente de quadros e ouvir o professor? Já devíamos saber disso. Impossível querer tirá-los desse universo. Mesmo contrariados lá foram eles tomar banho, vestir a camisa da escola e entrar em outro universo.

Texto e fotos: Renata Meirelles

 likes
Share this post:
  • […] Caçando gaiamum (uma espécie de caranguejo) no Recôncavo baiano […]

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Archives

    > <
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec