• pt-br
  • en
  • es

19
mar-2014

Meninos caçadores (Parte III)

Caçar é coisa de menino grande? Neto tem 2 anos, penúltimo filho de nove irmãos, menino atento e de esperteza voraz. Acompanhando as gravações que fazíamos com suas irmãs mais velhas, lá veio ele me puxando pela roupa e me convidando a olhar em volta. Mais preocupada com a cena das meninas pedi que esperasse um pouco. Esperar? Os siris estavam ali chamando os seus dedos, e dedo não espera, faz. Tá certo, mudei a estratégia e arrumei uma garrafinha para que coletasse a maior quantidade de siris enquanto terminávamos de brincar com as meninas, assim seus dedos estariam focados no seu próprio desejo.

Impulsionado pelo olhar astuto e mergulhado na coragem e missão clara que a caça exige ao caçador, Neto acompanhava os siris indo e vindo das tocas. Os desafios guiavam seus dedos para aprimorar o gesto, criar estratégias de se esquivar das garras do animal e se impor como caçador. Um corpo inteiro mobilizado para se apropriar de inúmeros saberes advindos da experiência.

O tamanho de sua vibração com essa “brincadeira” de caçador, contagiou a todos e a cena mudou de foco. Suas irmãs estavam agora mais interessadas em ajudá-lo nessa tarefa do que brincar daquilo que fazíamos inicialmente. Ótimo, afinal, estamos ou não estamos abertos a espontaneidades infantis? E o tempo ganhou qualidade de tempo, de tempo desfrutado, até a hora que o sol desistiu de brincar conosco.

Texto e fotos: Renata Meirelles

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec