• pt-br
  • en
  • es

19
mar-2014

Recebemos aqui no Maranhão a visita de nossa amiga e pesquisadora de Bumba meu Boi, a Prof. Dra. Soraia Chung Saura, que nos presenteou com lindos relatos desse encontro:
No dia 28 por fim, preparamo-nos para acompanhar o “São Pedro”, assim é nomeada esta outra festa. Agora os grupos não se dividem em arraiais pela cidade: concentram-se todos aos pés da Igreja do santo.

A igreja está mesmo no alto de um morro, é toda vidro e madeira, brilha luz fulgurante a nós, reles mortais, lá embaixo. Reconhecida nossa pequenez, subimos imensa escadaria de degraus altos. Dentro da Igreja a imagem de São Pedro em uma barca lindamente enfeitada, flores e perfumes. Com responsabilidade de fazer chover, controlador do tempo e das tempestades, ele é padroeiro dos pescadores. Assim, santo de todos nós, à deriva vida afora. Costuma ser homenageado pelo mundo com procissões marítimas e terrestres, troveja felicidade, mas homenagem assim, nunca tínhamos visto. Isto porque os batalhões de bumba-meu-boi, todos juntos reunidos, com instrumentos percussivos, fazem mesmo nossa terra tremer. São Pedro, lá no alto, de dentro de sua redoma de vidro, a todos avista: a escadaria e os que nela sobem (alguns de joelhos e em lágrimas), os grupos de boi que um a um adentram estrondosamente a igreja e desfilam suas belezas para o santo ? sem nunca parar de tocar e dançar? o pátio que se abre lá embaixo com a multidão de boieiros, a avenida beira-mar e o horizonte marítimo.

O espetáculo é todo para Ele, mas ficamos entorpecidos diante de tamanha demonstração de força, coragem e fé dos brincantes. A noite do dia 28 é um cenário a ser percorrido e todos a enfrentam com disposição e sem medo. “O reino da noite não conhece nem o tempo nem o espaço” já dizia Durand. Brincam e nesse jogo simbólico, imagético, exaltante e exultante, não se cansam nunca. Costumam dizer: “Brincadeira que não amanhece é brincadeira de criança” É importante amanhecer o dia, ver clarear as trevas da noite, depois de duro e árduo trabalho, passar pelos festejos, clarear, à luz de todo esforço. A aurora apresenta mais força incontida ainda, linda! Os batalhões “guarnecem” aos pés da Igreja e do santo.

Ainda na madrugada, encontramos Tião Carvalho. Com olhos de festeiro, ele nos ajuda a olhar. Aponta lá para baixo: “Olha aquele grupo concentrado. Olha aquele outro: é grande! Prepara-se para subir.” Em seguida, aquele aglomerado de pessoas explode escada acima. Sobem com força e energia, balançando-se animados. Tocam com toda força, como se já não tivessem brincado por toda uma noite. Adentram a igreja ribombando estrondoso batuque. Postam um Boi reluzente e enfeitado aos pés do altar. Se eu fosse o santo, me emocionaria ante o espetáculo dos homens. Pouco cremos no que nossos olhos assistem.

1376361633137636163363884785_420x300

O dia 29, dia de São Pedro propriamente dito, é um dia que brilha um pouco nublado. Réstia de luz dourada ilumina a imagem, que é levada pelo corpo de bombeiros para uma balsa a beira mar. São Pedro e seu barquinho vão, com todos os nossos desejos para o ano vindouro. Em alto mar, embandeirado e colorido, vagando moroso. Depois de uma noite inteira, olho meus amigos. Sinto gratidão imensa, estar com eles, estar viva.

137636168013763616801197714959_420x300

Texto: Soraia Chung Saura

Fotos: Renata Meirelles

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec