• pt-br

18
mar-2014

Nego Fugido

Não é fácil explicar o Nego Fugido: brincadeira, teatro, ritual? Mas é fácil sentir a intensidade da energia que pulsa, misturando o som dos atabaques, o barulho da palha de bananeira da saia dos caçadores e a imagem dos rostos pintados de preto com a boca vermelho sangue. As “negas” cantam e dançam, respondendo o coro da cantiga entoada pelo puxador. A roda começa a ser assustadoramente cercada e logo invadida pelos caçadores que, com olhar ameaçador, rodam as saias e apontam as espingardas. Até que um deles atire. Aí os escravos – crianças e jovens – atiram-se no chão e começam a tremer. Não há lama, pedra ou chão de areia que diminua o ímpeto com que os escravos tremem e rolam no chão. Aos poucos a lama e a anilina da boca vermelha como sangue dos escravos e caçadores vão colorindo os corpos, os trajes e a cidade.

10

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec