• pt-br

11
ago-2015

Congresso Território do Brincar

A matéria pode ser lida no blog PONTO & VÍRGULA ou a seguir:

 Nesta quarta-feira (05/08/2015) aconteceu um congresso para lançar o livro e filme do território do brincar em parceria com as escolas. Fruto de muitas pesquisas e conversas periódicas.

O território do brincar vem para dialogar com as escolas o brincar mais puro e sincero que existe. O brincar sem intervenção ou pudores.

Este projeto em parceria com o instituto Alana viajou durante dois anos por diversas regiões do Brasil, buscando a diversidade de brincadeiras vivenciadas pelas crianças.

O Território do Brincar faz uma ponte para olhar para a infância. Olhar profundamente para a criança e se inspirar. Olhar para o mundo e para nossa pratica.

O Território do brincar buscou o brincar em sua essência, sem brinquedos prontos! É através de madeiras, tronquinhos, canos de PVC, tecidos, areia, potes, cordas, cones, caixas, colheres e panelas que se produz o brincar. Sem intervenções, observando e analisando o que pode ser ofertado para enriquecer a brincadeira e suas experiências.

O papel do professor diante deste conceito:

Contemplar o brincar.

Desestruturar e reorganizar os métodos de ensino.

Inspirar-se.

Conseguir escutar o corpo da criança ( o que ela fala, sem fala).

Deixar a criança ser criança!

Observar e ser neutro.

Mediador e não dono do saber.

Interação entre as idades.

À partir dessa chuva de ideias e conceitos, surge a dúvida: como aplicar na minha sala?

É muito importante ter bem claro que brincar dirigido, não é brincar!

A partir do momento que você dirige a brincadeira tem um objetivo, um fundamento e uma finalização. O brincar nunca termina!

Podemos começar a inserir cantinhos com brinquedos não estruturados, e observá-los, logo você vai perceber que pode trazer outras coisas para enriquecer a brincadeira.

Como no brincar de casinha, tem no cantinho colheres, panelas, peneiras e outras coisas. Observando as vezes percebemos que falta um pouquinho de areia, terra, pedaços de papel ou grãos. Para possibilitar o brincar da maneira mais real possível.

Disponibilizando as caixas diversas formas de brincar podem ser criadas. Pode entrar, empilhar, criar castelos ou cidades, pintar, recortar e virar asas. Ai já entra o imaginário da criança. A forma de experimentar sem intervenções ou opiniões!

Com os brinquedos não estruturados exige da criança criatividade para brincar, criar e inventar uma nova brincadeira. Promovendo a criatividade, imaginação, discussão, construção e ensaios para colocar a brincadeira em prática. As vezes dá certo e as vezes não, é o que move a criança a querer pensar mais para executar seu projeto.

O encontro foi muito rico, contou com a participação da Renata Meireles, Ana Lúcia Vilela e as seis diretoras das escolas participantes.

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec