• pt-br
  • en
  • es

IMG_2452

Nasepotiti significa “morcego queimado”, comer morcegos era um costume antigo por parte dos índios Panará. Hoje os morcegos voam soltos pela aldeia e ninguém mais se incomoda em caçá-los, preferem outras caças como o peixe, a arraia, a moréia, a anta, o macaco preto, macaco prego, o jacaré, jabuti entre outros.

A aldeia está localizada na Terra Indígena Panará que fica na divisa entre os Estados do Mato Grosso e Pará, mais especificamente no município de Altamira.

Chegar aqui só de avião ou barco pelas águas barrentas do rio Iriri. Nós do Território do Brincar fizemos o trajeto pelas curvas acentuadas desse rio, desviando de árvores tombadas das margens e de pedras que ficam mais rasas nessa época em que as chuvas estão começando a vir, tudo isso margeado por uma floresta amazônica exuberante que rasga o chão com uma força incrível.

A aldeia Nasepotiti tem hoje 394 habitantes sendo 75% menores de 18 anos. Uma aldeia de população essencialmente jovem com muitas crianças exibindo uma vigorosas explorações pelas entranhas dessa floresta, desse rio e dos elementos da natureza. Um prato cheio para olhos atentos ao universo infantil.

_3991629772

São ao todo 21 casas dispostas em círculo e cada casa acompanhada de uma cozinha do lado de fora, abrigada por um teto de palha e sem paredes. As cozinhas marcam o território social, com redes para descansos diurnos e onde acontecem as pinturas corporais, as conversas soltas e descontraídas entre as gerações, o artesanato das mulheres – enfeites corporais feitos com miçangas, e dos homens – tecer cestos, além é claro, do preparo da comida e das refeições. E por falar em preparo das comidas, elas são feitas em fogões de lenha no chão, com pedras servindo de suporte para as grelhas ou panelas.

 IMG_0168

Além das casas há o “Centro” ou “Casa dos Homens”, um espaço circular para as grandes decisões da aldeia, e onde os homens se reúnem em longas conversas e as mulheres se sentam do lado de fora, vez ou outra dando suas sugestões e opinião. Um terreno de discussões e lazer para jogar dominó e xadrez, jogos bem comum hoje em dia.

IMG_2483

As árvores frutíferas plantadas ao redor das casas, como a manga, pequi, côco, caju, castanha do pará, laranja, macaúba e jaca, criam como uma fronteira entre a floresta e aldeia, fechando o círculo espacial das moradias.

Para além desse círculo está a pista de pouso para pequenos aviões, a escola, o refeitório e cozinha da escola, o posto de saúde, a sede da Associação Iakiô (que representa legalmente o povo Panará), o campo de futebol (grande paixão entre os panarás), e a casa dos membros do ISA – Instituto Socioambiental, onde a equipe do Território do Brincar morou nos 25 dias em que esteve nessa aldeia.

IMG_9874

 Texto e fotos: Renata Meirelles

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec