• pt-br

28
maio-2015
A matéria pode ser lida no site Papo de Cinema ou a seguir:

Crítica

O projeto Território do Brincar nasceu em 2012, através de uma iniciativa dos documentaristas Renata Meirelles e David Reeks. A intenção foi realizar um trabalho de escuta, intercâmbio de saberes, registro e difusão da cultura infantil. Acompanhados pelos filhos, por mais de um ano – de abril de 2012 a dezembro de 2013 – eles percorreram oito estados brasileiros do norte ao sul do país visitando comunidades rurais, quilombolas, grandes metrópoles, sertão e litoral. Com isso, conseguiram identificar um uma realidade distante da mídia mais convencional, aquela que é percebida através dos olhos das crianças, com sutilezas e espontaneidades viabilizadas pelo ato de brincar.

Os lugares visitados foram diversos. Da cidade de Jaguarão, na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai, passando pela Costa da Lagoa, em Santa Catarina, ao Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Seguiu-se pelos Pomeranos do Espírito Santo ao Recôncavo Baiano, seguindo pela Praia de Tatajuba, no Ceará, e pela terra indígena Panará, no Pará, e também pelo Maranhão. São extremos de uma nação com dimensões continentais. No entanto, independente do lugar, da condição social, dos cenários ou das origens, o ânimo e o envolvimento dos pequenos com atividades lúdicas é sempre igual: entrega absoluta. Mas não se fala aqui de videogames, tablets ou controles-remotos. Muito pelo contrário, são as brincadeiras de rua, como jogos de bola de gude, sapata, balanço, gangorras, petecas e carretéis, que servem para prender suas atenções, assim como brinquedos muitas vezes feitos pelas próprias mãos dos pequenos, gerando um envolvimento sem igual.

O curioso, no entanto, é como esse imenso exercício de coleta foi trabalhado para ser levado às telas no formato de longa-metragem. Como em apenas 90 minutos se tenta resumir esses 21 meses de andanças pelo Brasil, é óbvio que tal feito não teria como ser totalizador. Sabendo-se desta limitação, opta-se pela busca de uma sensação geral ao invés de um relato pormenorizado. Assim, não há narração, entrevistas e nem depoimentos. Território do Brincar, o filme, é composto em sua quase totalidade por imagens aparentemente aleatórias, que, no entanto, formam um painel completo e abrangente, o qual absorve-se mais pelos instintos do que pela didática. É um formato interessante, ainda que de alcance restrito – é de se questionar quem deverá prestigiá-lo no circuito comercial, uma vez que seu dinamismo narrativo é mais subliminar e sem um enredo convencional a ser seguido.

A dupla de realizadores também se dividiu nos bastidores do longa Território de Brincar. Renata Meirelles assina o roteiro – ela já havia executado essa função no documentário Sementes do Nosso Quintal (2012) – ao lado de Clara Peltier, enquanto que David Reeks ficou responsável pela direção de fotografia e da câmera. Os dois haviam trabalhado juntos no curta Disque Quilombola (2012), que representou o início dessa parceria que agora resulta em algo maior e de visibilidade mais ampla. A imaginação e a criatividade que são vistas por todo o filme talvez pudessem ser melhor exploradas em cena, sem paralelos tão óbvios como aqueles que colocam lado a lado crianças da cidade e do interior envolvidos nas mesmas brincadeiras e com disposições similares. Ainda assim, a despeito de uma confiança demasiada aqui ou de um tropeço narrativo acolá, tem-se um produto pedagogicamente relevante, que deverá encontrar ressonância no seu público específico.

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec