• pt-br

03
abr-2018

DIÁLOGOS DO BRINCAR #15: O BRINCAR COM A PALAVRA

Texto: Carolina Prestes e Raphael Preto | Foto: Carolina Prestes | Vídeo: Interrogação Filmes

No primeiro “Diálogos do Brincar” de 2018, o escritor e doutor em educação, Severino Antônio, falou sobre: “O brincar com a palavra”. Na conversa, realizada na sede do Alana, ele ressaltou a força e a importância das palavras para a construção da subjetividade humana: “As palavras servem para pensar o mundo, são uma forma de ação, presentificam o que está ausente, e também servem para brincar”, disse Severino, que trabalha há mais de 40 anos com ensino de redação e leitura, literatura, filosofia e também com formação de professores.

Autor de diversos livros sobre educação, Severino se encantou pela poética que habita a infância e, muitas de suas obras falam sobre como nós, adultos, precisamos acolher as expressões infantis, que tanto nos revelam sobre a vida e são poesia em sua forma mais pura: “A criança é muito próxima da poesia. O nascimento do mundo e das palavras é simultâneo. Desde muito cedo, as crianças brincam com os sons, dão nomes às estrelas e às plantas. A palavra é uma dimensão essencial da vida humana”, afirmou o educador, destacando exemplos de brincadeiras que têm a palavra como elemento central, como as cantigas e os trava-línguas. Ao relembrar as brincadeiras, confirmou que os ritmos da infância jamais saem de nós.

O encontro, transmitido ao vivo pelo site do Território do Brincar, teve a participação de pessoas de todo o Brasil, que mandaram seus comentários, sugestões e perguntas. Severino foi bastante questionado pelo público sobre como o brincar com as palavras pode acontecer dentro dos espaços educativos e foi categórico ao apontar a necessidade de repensarmos o modelo vigente de educação: “As escolas tiram a poética da palavra e a apresentam às crianças somente de forma utilitária. O conceito não pode matar a imaginação”, disse, ressaltando a necessidade de garantir espaços de silêncio dentro das escolas: “São nestes momentos de silêncio que as crianças ficam livres para fazer nascer a sua própria voz”.

Também falou sobre a palavra como matriz de criação: “Nós não somos apenas produtos da cultura e da sociedade, nós que as construímos, somos criadores, e não só criaturas. A palavra carrega esse poder de criação. Ela nos ajuda a elaborar nossa relação sensorial com o mundo”, comentou, destacando que as escolas devem dar abertura a esse potencial criativo humano que relaciona-se, diretamente, ao brincar livre: “As escolas não dão ao brincar o lugar sagrado que ele deve ter. Elas tendem a enfileirar e apostilar as crianças desde muito cedo”, lamentou: “É preciso formar o educador com um olhar atento ao brincar livre”.

Perguntas sobre o uso da tecnologia também foram frequentes durante o debate. Sobre isso, Severino afirmou: “Não é mais viável retornar a um passado sem tecnologias. Mas, também não é possível que uma criança passe até 14 horas em frente a uma tela”, disse, sugerindo que o equilíbrio de experiências seja garantido às crianças: “É preciso criar alternativas para essa nova realidade. Se fizermos isso, as crianças não ficarão escravas das tecnologias”. Dentre essas alternativas, está a valorização do tempo compartilhado, ou seja, passar mais tempo com as crianças, desfrutando com elas da alegria do brincar.

Confira abaixo a íntegra da conversa com Severino Antônio:

 

WhatsApp Image 2018-04-03 at 11.57.14
 likes
Share this post:
  • Regina Lucia Caminha Tôrres disse:

    Adorei.

  • Vera Figueira disse:

    Brincar com a palavras é se dar conta do tamanho do mundo.

  • Vera Figueira disse:

    As**

  • lETÍCIA disse:

    QUERIA O RESSUMO DA PALESTRA COMO FAÇO PARA VER

  • Verônica Boniolo disse:

    Adorei!

  • Joanina disse:

    Nossa! Precisamos impreguinar as escolas desse espírito do brincar. Um show! Acho que as crianças aprenderiam mais e todos seriam mais felizes…

  • Frederico curi disse:

    O vídeo dura mais DE uma hora. Logo pensei: verei um pouco, depois vou embora. puxa… terminou agora. Meu coração sente saudade e quase chora.
    Severino, IMAGINEI nunca mais ver meu mestre mundo afora. Errei, que daora.

  • Frederico curi disse:

    Lembrando, mestre Severino: existem infinitas maneiras de se ponderar com palavras.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Archives

    > <
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec