• pt-br

06
jun-2015

Brincar é urgente e vital

A matéria pode ser lida no site Tempo Junto ou a seguir:

A gente sempre busca um especialista que possa dar embasamento ao que a gente fala sobre o brincar. Estas conversas são retratadas aqui, uma vez por mês aos sábados, nesta coluna A Importância do brincar. E neste mês, conversamos com a Ana Cláudia Leite, mestre em educação pela PUC-SP e especialista em infância pelaCLACSO-UNESCO. É coordenadora de Educação e Cultura da Infância do Instituto Alana e da Pós-graduação “Infância, educação e desenvolvimento social” do Instituto Singularidades.

Para quem não está familiarizado com esta área de desenvolvimento da infância, o Instituto Alana é uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, que reúne os projetos na busca pela garantia de condições para a vivência plena da infância. São dele iniciativas como o Slow Kids, as Feiras de Trocas de Brinquedos e o filme Tarja Branca.

Logo no início da nossa conversa, Cláudia explica de forma muito clara e simples o que é o brincar e porque é tão importante. “O Alana tem como missão honrar a criança. E seria impossível não falar do brincar. O brincar 

é um direito e essencial para a qualidade de vida da criança“, esclarece. Veja só:

 

Cláudia ratifica o que em outra entrevista, o especialista Lino de Macedo também já havia afirmado. A criança pode ser estimulada pelo brincar desde que nasce. As brincadeiras de esconder e achar, ou até a atividade de pegar no dedo da mamãe por exemplo, são fundamentais para que o bebê encontre resposta e reações ao que está fazendo.“Estes são jogos simbólicos de apropriação do mundo e do seu corpo. A brincadeira do bebê (mesmo de forma diferente da criança mais velha) é a interação que ele tem para descobrir o mundo, de forma lúdica”, afirma a especialista. E completa: “A criança vai brincar independentemente de darmos valor a isso. Entretanto, quando a sociedade entende a importância do brincar, ela pode promover espaços e tempos para que esta atividade se desenvolva plenamente.”

A TV não sorri de volta

Neste outro trecho da entrevista (abaixo), Cláudia explica porque o pai, a mãe e o adulto em geral são melhores para a criança em contraponto com a tela. Ela também explica como é que nós podemos brincar com crianças nas mais diferentes idades.

Entre as sugestões da educadora, por exemplo, está a apresentação de materiais não estruturados às crianças. Traduzindo: materiais que não foram ainda transformados em alguma coisa e por isso podem originar várias brincadeiras. Os tubos de papel e rolo de papel higiênico, a caixa de papelão, o lençol, a massinha, entre outros materiais.

Achei bem legal quando ela explica que os adultos podem simplesmente proporcionar os convites para a brincadeira. Eu já postei aqui no blog algumas sugestões destes cantinhos de brincar.

A liberdade de brincar

A coordenadora do Alana acha impressionante que hoje tenhamos que rotular o brincar “livre” para nos referirmos à brincadeira sem estrutura definida, um direcionamento rígido, ou um objetivo a ser alcançado.
“Brincar deveria pressupor liberdade, espontaniedade e uma ação que parte daquele que brinca”, diz Cláudia. “A brincadeira valorizada hoje em dia é aquela mais direcionada”, explica.

Além disso, a brincadeira é capaz de transmitir os valores de uma família e a cultura de uma sociedade à criança. Veja só que relação a Ana Cláudia faz.

“Sem o brincar a gente adoece. Então o brincar deixa de ser importante para ser urgente. Mais que importante, ele é vital”, afirma a consultora. Ela destaca que a brincadeira é um parênteses também para a saúde dos adultos.

O Território do Brincar

O Alana lançou recentemente o documentário “Território do Brincar” que mostra como as crianças brincam em todos os espaços, durante todo o tempo e com o quê elas têm disponível. Neste trecho da entrevista, Cláudia propõe um questionamento sobre estarmos exigindo que as crianças respondam como adultos.

Ana termina a entrevista nos convidando a resgatar nossas memorias da infância. Quando o adulto se coloca no lugar da criança, recuperando seu potencial lúdico, o encantamento e o imaginário da infância, ele alimentará muito a vida, seja como pais, educadores ou como pessoas que querem ser felizes na sociedade.

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec