• pt-br

31
maio-2014

Diário Catarinense: “Brincar pressupõe liberdade”, diz educadora e pesquisadora Renata Meirelles

A matéria pode ser lida no site do Diário Catarinense ou a seguir:

Atualizada em 31/05/2014 | 06h31

O debate sobre o espaço e o tempo de brincar nas escolas durante a Mostra de Cinema Infantil terá a participação da educadora e pesquisadora Renata Meirelles. Ela é coordenadora do projeto Território do Brincar, que registrou em filmes, fotos, textos e áudios brincadeiras em diferentes regiões brasileiras junto com o documentarista David Reeks. A Casa Amarela de Florianópolis foi uma das escolas visitadas e retratadas pela dupla. O trabalho revelou a Renata um Brasil que ainda se diverte muito, derrubando a ideia de que as crianças não brincam mais.

Diário Catarinense — Como vocês perceberam o espaço dado ao brincar nas escolas brasileiras?

Renata Meirelles — Isso vai muito de escola para escola e de como lidam com o tema, a metodologia que utilizam. É difícil generalizar, mas tenho visto escola que não tem nenhum espaço para brincar, principalmente quando a criança está no ensino fundamental, como se ela não precisasse mais brincar, como se isso fosse do passado, e agora precisasse ter atividades sérias, como se brincar não fosse sério, e como se a criança não aprendesse no momento de brincadeiras. Por outro lado, a gente vê escolas que estão cada vez mais conquistando esse espaço.

DC — Por que é importante preservar um espaço para o brincar nas escolas?

Renata — Primeiro as escolas são os espaços mais sociais que as crianças têm. Em muitos casos, não em todos, de um modo geral a escola é o espaço social da criança. Se a gente restringir a brincadeira para fora da escola significa que muitas crianças vão brincar solitárias, vão ter formas limitadas de brincadeira. Segundo porque a própria brincadeira é um espaço de aprendizagem para a criança, ela entra em contato consigo mesma. É absolutamente necessário para criança e a gente menospreza esse espaço, ou transforma numa atividade didática, para vender um conteúdo específico, ou deixando ela apenas no recreio, nos intervalos. A gente perde a oportunidade de mostrar a brincadeira como um espaço de aprender e de se relacionar com coisas que não são possíveis de serem ensinadas. A brincadeira é pura experiência, assim como a criatividade.

DC — Vale qualquer brincadeira?

Renata — A brincadeira é uma atividade livre. O que vier para a criança naquele momento de liberdade e autonomia pode se considerar de alguma forma brincadeira. Brincar pressupõe liberdade.

DC — E quais brinquedos?

Renata — A qualidade de brincar não tem nada a ver com o brinquedo. Ela pode ter nenhum brinquedo e ter uma variedade incrível de brincadeiras. Por outro lado, o brinquedo pode ser um facilitador, mas não precisa estar correlacionado.

DC — O que o Território do Brincar revelou sobre o brincar no Brasil?

Renata — A gente viajou por muitas comunidades, que tem um brincar muito vivo, vigoroso, mesmo os adultos afirmando que as crianças daqueles lugares não brincam. Mostrou o quanto os adultos romperam com esse olhar do que as crianças fazem hoje. Eles não sabem o que dizer e caem no chavão de que gostam de tecnologia e de que se afastaram da brincadeira. A gente vai revelando um repertório gigantesco do que as crianças fazem. A gente viu muitas crianças construindo brinquedos e um repertório vasto de atividades educacionais.

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec