• pt-br

05
set-2017

Diálogos do Brincar #12: ‘O direito ao brincar’, com Guilherme Perisse

Texto e foto: Fernanda Peixoto | Vídeo: Interrogação Filmes

O 12º encontro do Diálogos do Brincar, no dia 24 de agosto, abordou o direito ao brincar sob a perspectiva das leis e normas brasileiras. A conversa foi realizada no auditório do Alana, em São Paulo, e contou com a participação do advogado Guilherme Perisse, integrante do programa Prioridade Absoluta e coordenador da Rede Temática de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente do GIFE – Grupo de Institutos Fundações e Empresas. A mediação foi feita por Renata Meirelles, coordenadora do Território do Brincar, programa correalizado com o Alana.

Em sua apresentação, Perisse elucidou quais são as principais leis ligadas à infância e ao brincar. Para o advogado, apesar de haver uma concordância quase total da população brasileira sobre a necessidade de garantir os direitos das crianças, há pouca informação e entendimento relacionados ao tema. “Segundo uma pesquisa divulgada em 2013 pela Datafolha, 81% dos brasileiros declaram-se mais ou menos, pouco ou nada informados sobre os direitos das crianças previstos na Constituição Federal e no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA)”, explicou.

O direito ao brincar foi citado pela primeira vez num documento somente em 1959 na Declaração Universal dos Direitos da Criança – Princípio VII. A partir de então, a importância do brincar espontâneo foi sendo redefinida de diversas maneiras e ganhando mais destaque na legislação. “Se fizermos um apanhado geral, o brincar é citado em várias leis e normas, como no artigo 31 da Convenção sobre os Direitos da Criança, no ECA, no Marco Legal da Primeira Infância, na Base Nacional Comum Curricular, entre outros. Diante desses exemplos, é possível perceber que existem muitas leis que garantem o brincar”, disse.

Para sensibilizar mais profissionais de direito no que diz respeito aos direitos de crianças e adolescentes, Guilherme Perisse atua junto ao programa Prioridade Absoluta informando e mobilizando as pessoas para que elas sejam defensoras e promotoras do assunto em suas comunidades. “É preciso aproximar o Estatuto da Criança e do Adolescente das pessoas. O direito das crianças deveria ser disciplina obrigatória na faculdade de direito. Hoje, o advogado se forma sem conhecer minimamente essa questão”, lamentou.

Se você não conseguiu assistir o bate-papo ao vivo, confira agora!

 

 

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec