• pt-br

14
jul-2017

Waapa: novas lentes, outros horizontes

A MATÉRIA PODE SER LIDA NO CONEXÃO PLANETA OU A SEGUIR:


Em maio deste ano, o programa Território do Brincar, correalizado pelo Instituto Alana, lançou o documentário Waapa, produzido pela Maria Farinha Filmes e assinado por David Reeks, Paula Mendonça e Renata Meirelles. Se você ainda não assistiu ao filme, faça isso antes de ler o texto até o final. Para isso, basta cadastrar-se no site do Videocamp: ele está disponível lá. E volte depois para esta reflexão.

Durante 20 minutos, o espectador tem a chance de conhecer a vida dos Yudjá, na aldeia Tuba Tuba, na Terra Indígena do Xingu, Mato Grosso. O povo Yudjá é um dos 240 povos indígenas existentes no Brasil, que totalizam juntos mais de 890 mil pessoas, segundo o Censo IBGE 2010.

Por meio do documentário, temos a oportunidade de aprender sobre um outro ser humano invisível e estigmatizado, esse outro que nos acostumamos a chamar de “índios”. A invisibilidade é uma das consequências de se narrar a história do Brasil pelo viés do colonizador. Talvez você não leia essa palavra há muito tempo, desde os tempos da escola, mas o significado de colonizar é invadir, explorar e tomar para si algo que não é próprio.

Em mim, o documentário Waapa reforçou o sentimento de que é preciso narrar, por outras perspectivas, a história não contada pelos livros didáticos e pela mídia não plural que forma (ou deforma) a maioria da população. História que nega a continuidade do genocídio dos povos indígenas brasileiros, que esconde a luta pelo direito à terra e à violência fundiária. História que perpetua o preconceito e a discriminaçãosofridos.

Diante disso, o audiovisual é uma ferramenta importante na descolonização do olhar, habilidade fundamental para uma educação para e com os direitos humanos de estudantes, educadores e famílias. Oportunidade de aprender a olhar, de novo, de novo e de novo por diferentes pontos de partida.

Aprender a olhar de novo pelas lentes do Waapa é o convite desta resenha. Para tanto, enumero dois aspectos que provocam novas miradas, das muitas trazidas pelo curta-metragem:

1. A espiritualidade como elemento indissociável da vida humana

Assim como é verdade que a religião católica – no Brasil e em grande parte da América Latina – impôs seu poder econômico, político, social e cultural sobre as demais expressões espirituais, também é verdade que as diferentes formas de expressão do mundo interior e espiritual se mostram persistentes.

Com o Waapa, tem-se a oportunidade de reconhecer a espiritualidade como elemento indissociável do ser, estar e viver o mundo. Sua expressão é revelada no cotidiano e nos fazeres diários, não apenas nos ritos religiosos convencionais. Uma sensível mirada sobre o sagrado nos gestos, no imaginário e no brincar das crianças Yudjá.

2. A natureza como fonte de conhecimento de si, do outro e do mundo

Com o Waapa abre-se uma brecha para reconhecer a natureza como algo que transcende a ambientação ou as características físicas de um espaço. No curta, a natureza é uma grande fonte de conhecimento sobre si mesmo e o outro: forças e fraquezas, belezas e sombras, potências e o que está por aperfeiçoar.

Uma das sabedorias anunciadas por Yaba Juruna, liderança dos Yudjá e uma espécie de narrador do documentário, é esta: “Se você não sabe lidar com o seu mundo, não saberá lidar com o mundo de outra pessoa”. Um profundo mergulho em uma educação que parte da pessoa e sua realidade com gradativa expansão para o outro, outras realidades e universos.

Difícil não recordar da inscrição conhece-te a ti mesmo e conhecerás o universo e os deuses’ na entrada do santuário de Delfos, na Grécia antiga, e difundida pelo filósofo Sócrates.

O filme convoca a reconhecermos o valor do corpo, da experimentação e da materialidade natural na construção de saberes para a vida e sobre a vida.

A experiência estética do Waapa é disruptiva. Na educação de crianças, jovens e educadores, problematizar as formas absolutas de compreensão também é. Por isso o audiovisual é uma linguagem essencial para a educação, por abrir novos horizontes.

Por um lado, temos um universo único e singular à nossa frente, fundamental para reconhecer o direito à diferença na vida humana. Por outro, o curta convida o espectador a olhar de novo e a reconhecer as comum-unidades que temos com outras pessoas e povos.

Abaixo, o trailer do filme Waapa.

 

 

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec