• pt-br
  • en
  • es

Por onde a equipe do Território do Brincar andou encontrou semelhanças e singularidades, ressoando um uníssono de todos nós. Veja aqui um pouco mais do Brasil e de nossas tantas infâncias.

0 comments / 6 votes

Nos pampas os horizontes se alargam, os olhos correm longe pelas danças aéreas dos maçaricos. De tão plano é o lugar chegam a dizer que é possível avistar seu cachorro fugindo por 3 dias seguidos. Pela estrada a paisagem é de pastos sem fim onde habita um gado lento e espalhado, ovelhas macias recém saídas […]

0 comments / 6 votes
0 comments / 3 votes

Lira é daquelas pessoas que contribui para embelezar o mundo. Botou duas tranças no cabelo na infância e até hoje as carrega evidenciando suas raízes de menina doce e persistente. Lira é ceramista, pesquisadora da cultura do Vale do Jequitinhonha, uma das fundadoras e cantoras do grupo Trovadores do Vale, além de amante das cores […]

0 comments / 3 votes
0 comments / 0 votes

 Abadia é terra de gente sabedora de rezas, folias de reis, cantigas de roda, de fazer pão e biscoito no forno a lenha. Abadia é terra de casas acumulando tempo, de vagalumes tão sociáveis que vão no dedo e no nariz da gente. É lugar onde fazer carrinhos de madeira, bichinhos de frutas, bonecas de […]

0 comments / 0 votes
0 comments / 0 votes

Nasepotiti significa “morcego queimado”, comer morcegos era um costume antigo por parte dos índios Panará. Hoje os morcegos voam soltos pela aldeia e ninguém mais se incomoda em caçá-los, preferem outras caças como o peixe, a arraia, a moréia, a anta, o macaco preto, macaco prego, o jacaré, jabuti entre outros. A aldeia está localizada […]

0 comments / 0 votes
0 comments / 5 votes

Nosso primeiro paradeiro: comunidade Alto Santa Maria. Essa é uma comunidade de pomeranos instalada nas encostas da serra do município de Santa Maria de Jetibá no Estado do Espírito Santo. Aqui vivem aproximadamente 1500 pessoas e pela estimativa quase 90% são de pomeranos, que seguem fortemente suas raízes. Com a Pomerânia passando por muitas dificuldades, […]

0 comments / 5 votes
0 comments / 1 votes

Dados linguísticos e etno-históricos recentes mostram que os Panará do Peixoto Azevedo/ cabeceiras do Iriri são os últimos descendentes de um grupo bem maior e mais conhecido como Caiapó do sul, que ocupava a região entre o norte de São Paulo, sul de Goiás, leste de Mato Grosso, sudoeste de Mato Grosso do Sul e […]

0 comments / 1 votes
0 comments / 0 votes

Há dias que não se fala em outra coisa a não ser no desfile de 7 de Setembro. As escolas estavam em intensas preparações que mal cabiam aulas nesses últimos dias. Ensaios, marchas, confecção de bandeiras, faixas, adereços fizeram a rotina de Acupe. Quando chamávamos a meninada para brincar na rua ouvimos por vezes “não […]

0 comments / 0 votes
0 comments / 2 votes

Na praia de Oiteiros, litoral oeste do Maranhão, uma Amazônia costeira ainda conserva alguns de seus traços. Tanto na flora e sua generosidade de espécies dos alagados e baixios, quanto nos hábitos do povo, no tempo lento que esgueira-se preguiçoso por entre as horas quentes. Também na manufatura diária e calma dos fazedores de cofos, […]

0 comments / 2 votes
0 comments / 4 votes

Para conseguir olhar os contornos de Tatajuba só com ajuda, como no conto de Eduardo Galeano, quando o filho ao avistar o mar pela primeira vez pede ao pai: “Me ajuda a olhar”. A exuberância da natureza nos exige silêncio para ver, pede um olhar novo, um olhar infantil, daqueles que vêem as coisas com […]

0 comments / 4 votes
1 comments / 3 votes

Na aldeia casa é para descansar e dormir, os panará dormem em rede ou cama feita por eles mesmos. Antigamente panará dormia no chão, as casas eram grandes e moravam muitas famílias junto com o sogro. Hoje em dia as casas podem ser menores, mas sempre a cozinha fica para fora da casa. Para cozinhar, […]

1 comments / 3 votes

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec