• pt-br

13
dez-2017

IPA 2017 reúne pesquisadores internacionais para discutir o brincar

Quais são as possibilidades do brincar às crianças no mundo de hoje? As crianças estão, de fato, brincando menos na atualidade? Como o brincar está sendo compreendido na sociedade, nas cidades e nas escolas pelo mundo? Estas foram algumas das inquietações levantadas por pesquisadores do brincar que estiveram reunidos entre os dias 13 e 16 de setembro em Calgary, no Canadá, durante o “The International Play Association – IPA 2017”.

A coordenadora do programa Território do Brincar, Renata Meirelles, participou do encontro para acompanhar as palestras e debates ao longo desses quatro dias. O congresso internacional do IPA é realizado a cada três anos, reunindo centenas de pesquisadores e defensores do brincar de mais de 30 países com o objetivo de celebrar, entender os benefícios, trocar ideias e inspirar ações para promover o brincar livre a todas as crianças.

A palestra de abertura do congresso foi feita pelo pesquisador Peter Gray, que trouxe como foco principal a diminuição do brincar na sociedade. No palco, o pesquisador defendeu a brincadeira como maneira natural das crianças desenvolverem habilidades essenciais para a vida. No entanto, para ele, a escassez do brincar, que tem sido uma realidade há décadas, está provocando consequências diretas no desenvolvimento mental da criança. “Em nome da educação, estamos tragicamente tirando o brincar das crianças”, lamentou.

Gray criticou ainda o fato de a sociedade contestar que, hoje em dia, as crianças não desenvolvem determinadas características de aprendizado, já que, para ele, não há solução para isso “se não ampliarmos a possibilidade das crianças brincarem livremente”. Seus dados e observações levam a crer que a escassez do brincar se deu a partir de 1960, apoiado em algumas causas como o aumento da supervisão dos adultos (o que gera uma mensagem implícita de incapacidade infantil e, consequentemente, da necessidade de proteção) , traçando uma infância que está longe de suas potencialidades. Diante disso, o pesquisador enfatizou a necessidade de deixar as crianças brincarem livremente, assegurando tempo para o desenvolvimento de tais atividades.

A relação do brincar com as cidades também foi um dos temas abordados no congresso, sob a bandeira de projetos como “London Play City” e “Tokyo Play City” – que propuseram ações similares em seus países. Com o apoio do IPA, esses projetos se uniram para trocar experiências, soluções e encaminhamentos de práticas que promovem e incentivam o brincar das crianças em espaços públicos como parques, praças e ruas.

Tóquio, no Japão, por exemplo, vive em uma realidade na qual o número de adultos tem crescido consideravelmente, ao contrário do número de crianças, que reduziu. Em 1920, existiam 1,3 adultos para cada criança, permitindo a elas ter mais liberdade e menos supervisão. Atualmente, são quase 6 adultos japoneses por criança e, no futuro, a previsão é de que esse número suba para 10. Soma-se a isso o fato de que o país traz pouca visibilidade ao direito das crianças, e também de que há uma forte pressão acadêmica e clima de competitividade sendo incentivado entre as crianças e jovens dali. Diante dessa situação, como mudar a realidade? Como trazer um cenário mais lúdico, corporal e instigante às crianças? É aí que entra a importância de projetos como o “Tokyo Play City”, que atua para tornar Tóquio uma cidade “brincante”, por meio de estratégias e ações que criem ambientes que acolham o brincar das crianças.

Uma das iniciativas propostas por eles é a campanha “10 coisas perigosas para fazer na infância”, que incentiva pais e mães a permitirem as brincadeiras de risco – e não perigosas – às crianças, como saltar das alturas ou brincar em volta de fogueiras. O projeto também viabilizou, em 2013, a criação oficial do “Dia do Brincar” em Tóquio. Anualmente, no dia 1º de outubro, a cidade abre seus espaços públicos para o livre brincar – seja nas ruas ou até mesmo em lugares mais inusitados, como as quadras onde ficam as estações de trem.

Para Renata Meirelles, o congresso cumpriu seu papel ao trazer um alto grau de discussão sobre o brincar, sob a perspectiva de diferentes realidades. “Conheci projetos e pessoas do mundo todo bastante comprometidos com o tema e com a necessidade de ampliar as possibilidades do brincar para as crianças. Eu diria que são, de um modo geral, grandes ativistas do brincar”, relata.

A próxima edição do IPA ocorrerá em 2020, em Jaipur, na Índia.

 

IMG_1442
IMG_1534
IMG_1521
IMG_1484
IMG_1494
IMG_1446
IMG_1529
IMG_1445

 

 likes
Share this post:
  • ROSANE romanini disse:

    Parabéns! Estamos num momento que falar de brincar livre,É visto como algo da ordem do descaso, da NÃo importância… alguns professores não admitem esse termo ” brincar livre”… que LÁSTIMA. Mais uma militância: o brincar e o brincar livre. Esse ato libertador de fruição e criação. Conquistamos em nossa cidade a semana Municipal do brincar. Uma lei que garante que nessa semana vamos mobilizar ações para a importância do BRincar. GRATA por estarem nos apoiando. Abração.ROSANE Romanini.

  • Priscila disse:

    Que delicia de se ler. GOstaria de participar de um IPA, como Proceder?

    • Fernanda Miranda disse:

      Oi Priscila, tudo bem? A próxima edição do IPA ocorrerá em 2020, em Jaipur, na Índia. Para saber mais informações, favor acessar o site do IPA: http://ipaworld.org/ um grande abraço!

    • Carolina Prestes disse:

      Cara Priscila, sugerimos que acompanhe o site institucional do IPA para acompanhar a agenda de eventos da instituição. Abraços! Equipe território do Brincar.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Archives

    > <
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec