• pt-br

13
mar-2018

‘Escutar crianças vai muito além de ouvir suas falas verbais’

Clique na imagem para acessar o material

Essa é uma das máximas defendidas por Adriana Friedmann, especialista e consultora nas temáticas da infância e do brincar e referência nos estudos sobre escuta e observação de crianças.

Há mais de 30 anos, Adriana dedica-se a um profundo estudo das linguagens infantis e nos lembra de que, para ‘escutar’ uma criança, precisamos nos atentar àquilo que está além do verbal: “Corpos, gestos, brincadeiras, expressões plásticas e musicais, comportamentos, movimentos, doenças: tudo isso constitui as linguagens essenciais da criança”, afirma a pedagoga. Mas, para nos abrirmos a este tipo de escuta, em que o corpo revela tanto ou mais do que a palavra, é preciso reeducar o olhar e encontrar novos canais de compreensão sobre a infância.

Seu novo livro Escuta e Observação de Crianças: processos inspiradores para educadores‘ é um convite a mergulhar neste novo olhar e nas diversas possibilidades de escuta e observação de crianças. A publicação apresenta as pesquisas desenvolvidas por 14 pesquisadoras que, sob a orientação de Adriana, desenvolveram trabalhos em diferentes espaços, com crianças de diferentes realidades e contextos.

Conversamos com Adriana Friedmann, que nos contou sobre o novo material, lançado neste mês em São Paulo, e comentou sobre o cenário da escuta de crianças no Brasil. Para ela, estamos no caminho, mas ainda há uma longa trajetória a ser percorrida. Confira!

 

Território do Brincar – Há anos, você dedica-se a escutar e observar as crianças. O que notou de transformação ao longo deste tempo? No que avançamos?

Adriana Friedmann – Os estudos sobre escuta e observação de crianças surgiram a partir das contribuições das ciências sociais. No exterior, este processo teve início nos anos 80, aqui no Brasil, no início de 2000. Assim, as pesquisas e práticas sobre este tema são bastante recentes. Temos, hoje, um número crescente de profissionais desenvolvendo ensaios nesta área. Digo ensaios, pois há várias formas e vertentes de olhar crianças e compreender suas realidades; ainda estamos num processo de entendimento e apropriação destes diversos caminhos para olhar a infância.

Sobre os avanços, posso apontar que este tema vem se tornando pauta àqueles que atuam com crianças e que a consciência sobre a importância destas escutas tem crescido consideravelmente. Estamos avançando na sensibilização dos educadores e, bem lentamente, na efetiva concretização dos processos de escuta de crianças. Mas, é premente ainda a compreensão da imensa diversidade de temas que surgem a partir destas pesquisas e o desafio de conhecer os inúmeros grupos infantis e suas realidades ainda é grande.

TDB – No seu novo livro, ‘Escuta e Observação de Crianças: processos inspiradores para educadores’, o trabalho foi concebido com um grupo de pesquisadoras. Pode nos contar sobre esse processo de construção coletiva?

AF – A publicação é resultado de um processo de orientação e formação de 14 pesquisadoras, que participaram do curso “Pesquisas com Crianças”, que ministrei em 2016, no Centro de Pesquisa e Formação do SESC. Nesta ocasião, nos debruçamos sobre os conceitos básicos acerca da infância e sobre as variadas áreas de conhecimento que relacionam-se ao universo infantil; também fizemos um mergulho nas várias possibilidades de escutar e observar crianças. Na sequência, cada participante do curso escolheu um grupo de crianças para estudar e as orientei no processo de pesquisa. As participantes iam a campo e, a cada 15 dias, nos reuníamos para debater suas vivências, angústias, observações e percepções. A construção coletiva foi muito rica e imprescindível para a compreensão sobre o que significa ser um pesquisador da infância: ético, aberto e comprometido. Ao final das idas a campo, já com as produções em mãos, fizemos leituras coletivas profundas – apoiadas por pensadores das áreas de filosofia, literatura, psicologia, artes, antropologia, entre outras. E, finalmente, cada pesquisadora escolheu um recorte dentro de seu processo para compartilhar nesta publicação.

TDB – Quais as particularidades de realizar pesquisa com crianças?

AF – As escutas e observações de crianças exigem respeito e ética na abordagem junto às mesmas: não se trata unicamente de registrar suas falas, produções e ações. Muito menos de entrevista-las com perguntas e indagações. Trata-se muito mais do pesquisador se predispor a estar inteiro, presente e conectado com as crianças e seus mundos externos e internos, de apreender as narrativas infantis e compreender as raízes multiculturais e os contextos das crianças observadas. Trata-se de olhar cada criança em sua inteireza e estar aberto  para acolher o que elas expressam naturalmente. Precisamos aprender com elas.

TDB – Qual o grande desafio do pesquisador da infância?

AF – O desafio para os adultos passa por uma reconexão com sua própria sensibilidade, no sentido de conhecer as crianças a partir do estabelecimento de vínculos nos momentos em que as observamos e escutamos. E, após realizadas estas conexões, que tornam a sensibilidade e a intuição prioritárias, é fundamental que o pesquisador acesse as diversas áreas do conhecimento que se debruçam sobre o estudo do ser humano, para aprofundar e respaldar o olhar.

TDB – Como uma escuta sensível pode contribuir para a prática dos educadores?

AF – Estas escutas sensíveis são essenciais para os educadores. Por um lado, permitem que eles ofereçam às crianças possibilidades de se expressarem e viverem suas infâncias de forma significativa, acessando tempos e espaços de autonomia e liberdade. Por outro lado, para realmente conhecerem as crianças com as quais convivem: suas preferências, necessidades, potências, seus repertórios e sua bagagem cultural e, a partir disso, repensar e readequar práticas, programas e atividades que potencializem os canais expressivos de cada criança e que introduzam novos desafios a partir dos seus interesses.

TDB – Qual a grande contribuição deste material?

AF – Penso que este material é uma importante contribuição para a comunidade que se dedica a estudar e compreender as crianças e suas infâncias. Ele oferece uma variedade de contextos e grupos pesquisados, além de relatar os processos individuais vivenciados pelas pesquisadoras. O livro foi concebido de forma dialógica: no decorrer dos artigos comento os processos das pesquisadoras, trazendo conceitos fundamentais à prática da pesquisa com crianças. O material tem o intuito de ampliar a consciência e a sensibilidade sobre a importância da escuta e observação de crianças e atenta à urgência de abrirmos brechas para estes processos de escuta nos cotidianos de trabalho de educadores e especialistas. O livro também aponta possibilidades de inspiração e mostra que a infância merece este olhar aprofundado e comprometido.

<CLIQUE AQUI PARA ACESSAR O MATERIAL NA ÍNTEGRA>

<PARA SABER MAIS> Diálogos do Brincar – “A voz da criança’, com Adriana Friedmann

 

Por Carolina Prestes | Território do Brincar

 likes
Share this post:
  • muito legal! para ampliar essa tão importante reflexão, compartilhamos aqui texto do blog da ninguém cresce sozinho com este mesmo tema: http://ninguemcrescesozinho.com.br/2018/03/12/diferentes-formas-de-escutar-as-criancas/

  • Lindo trabalho. Parabéns. Nós que trabalhamos com crianças precisamos de obras como essa.

  • Vilma Ribeiro Gomes disse:

    Muito bacana, no nosso curso de pedagogia discutimos sobre culturas infantis e como pensar a infância sem ser apenas pelo olhar do adulto.A crianca esta sempre falando “sem dizer” e quando escutamos o não verbal e uma possibilidade de entender jnfancia sobre a ótica da propria criança.

  • Cléia Paixão disse:

    Feliz em conhecer pessoas que escutam verdadeiramente o ser humano. O escutar vai muito além dos sons e vozes proferidas, escutar tb é sentir com o corpo, alma e coração. Esse conjunto fortalece a empatia, o perceber o outro. Parabéns! Quero muito este livro!

  • Samila disse:

    Quero adquirir o livro

  • Cintia de Souza disse:

    Parabéns pela excelente matéria e também pelo livro.
    Gostaria muito de adquirir o livro.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Archives

    > <
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec