• pt-br
  • en
  • es

136977438013697743810017750225_420x300

Mar pede navegar, pede flutuar com velas aprumadas com o vento, pede precisão de meninos certeiros no corte do isopor ao construir suas canoas.

Aqui em Tatajuba estamos aprendendo sobre a natureza do brincar líquido. Estamos percebendo o quanto um bom capitão de canoas de isopor precisa conhecer os movimentos do ar mais até mais do que da água. A simetria do peso dos ventos contrabalanceada por pedrinhas ou lama dentro das canoas. Conhecimentos do universo da navegação.

Os meninos aqui têm dois tipos de canoas: de isopor ou de raiz da timbaúba. Enquanto aguardamos a raiz da timbaúba secar dias no sol, fomos aprender como fazem as de isopor.

Achar o isopor para tantos meninos não foi um problema, afinal, o Seu Zé Arteiro compra isopores quebrados, junta toneladas no seu quintal, e os usa para encher as balsas que atravessam turistas de lá pra cá de Jericoacoara.

Assistir as mãos dos meninos em cortes precisos do isopor, que retiram os excessos e vão aos poucos apresentando o formato certinho da canoa, é um presente para nós. Suas mãos erram bastante também mas a persistência segue na frente e a canoa acontece de um jeito ou de outro.

136977451013697745102922759090_420x300

Os gestos sutis do corte são redobrados no feitio dos mastros. As talas do mastro e da tranca precisam ter peso ideal, tamanho certo, “senão não presta para navegar”, dizem eles. A vela, ou pano como eles chamam, é de sacola plástica costurada detalhadamente por toda sua dimensão.

136977479813697747983791425293_420x300

136977464613697746469976871270_420x300

136977493613697749361921830663_420x300

13697751201369775120447167666_420x300

Uma manhã inteira para dar a forma a canoa de isopor, outra manhã para construir os mastros e lemes. Foi só no terceiro dia que tudo ficou pronto para colocar as canoas na água e fazer as regatas.

136977518413697751848387313152_420x300

A regata é o pico da brincadeira, mas nem por isso o principal. Fazer o brinquedo é brincadeira pura, é mergulhar nas entranhas dos materiais e ir dialogando com eles nos mais diversos caminhos do imaginário.

Quem não sabe fazer permanece ao lado usufruindo dos principais mecanismos de aprendizagem: a observação silenciosa e atenta. Ninguém ensina ninguém, mas todos aprendem fazendo junto.

As regatas das crianças acontecem seguindo os padrões daquelas realizadas pelos adultos, jogo sério, compromisso de competidor. Em anos anteriores eles chegaram até a pedir patrocínio de R$ 1,00 para os comércios da comunidade. Conseguiram arrecadar R$ 5,00, que foi o prêmio do vencedor.

A regata acontece nos melhores momentos de vento do dia. Cada qual se posiciona no mar com sua canoa e com a fé de que será o vencedor.

Ao sinal de “já” simplesmente tiram as mãos da embarcação e o vento faz todo o resto. Só vale encostar nela novamente caso tombe ou mude de rumo, senão, é correr até a chegada para conhecer o vencedor.

Três dias de pura expectativa que vale quanto pesa.

136977524313697752436592573759_420x300

136977534613697753465951682212_420x300

136977554113697755411175378500_420x300

136977597813697759789128318137_420x300

136977608613697760868107484825_420x300

Texto e fotos: Renata Meirelles

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec