• pt-br
  • en
  • es

134730394313473039434895204503_420x300

Com água até o pescoço, Felipe não cansava de ver seu barquinho deslizar ao sabor do vento e da correnteza. Feito por suas próprias mãos com sandália de borracha das bem leves, velas de saco plástico e leme de tampinha de garrafa amassada, o barco ganhou o mesmo nome da canoa do pai, campeã de muitas regatas: “Aviada”.

1347303995134730399591186695_420x300

13473040311347304031348167989_420x300

134730408613473040865707412121_420x300

Logo chegaram outros barcos e outros meninos pra apostar corrida. O descuido de um pedaço de isopor largado na maré deu origem a mais três barquinhos, que navegavam com rapidez. Mais um barquinho “de tamanca” como o primeiro também chegou, pelas mãos de outro construtor que, sem coragem de pular na água, entregou-o a Felipe e Baby, que trouxe sua canoa esculpida na madeira – imitando a tradição ancestral – para participar da brincadeira.

134730413813473041383058459141_420x300

134730416713473041679393626255_420x300

Assim como as bicudas, a corrida de barquinhos também tem um diálogo bem próximo com a natureza, já que depende da maré para dar certo. No porto de Acupe só acontece quando as águas chegam perto do cais em um bom horário, quando a criançada chega para pular nas canoas, cutucar os siris e brincar na água. Desta vez, as estrelas foram os barquinhos.

134730421313473042134101977159_420x300

Texto: Fernanda Guimarães
Fotos: David Reeks

 likes
Share this post:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Archives

> <
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec