• pt-br

11
dez-2017

Diálogos do Brincar #14: O brincar e a saúde integral infantil

Texto: Raphael Preto | Vídeo: Interrogação filmes

O último “Diálogos do Brincar” de 2017 debateu o tema “O brincar e a saúde integral infantil.” A 14ª edição da série de videoconferências contou com a participação do pediatra Ricardo Ghelman, especialista em medicina antroposófica e vice-presidente do Comitê de Genética da Associação de Pediatria de São Paulo. Durante a conversa, realizada no dia 7 de dezembro, Ghelman reafirmou a importância do brincar para a garantia de uma infância plena e saudável: ”É extremamente natural esse processo em que a criança entra em contato com o mundo através de cores, experiências e texturas.”

Especialista em medicina integrativa, o médico comentou como esse conceito se desenvolveu a partir do início da década de 1990: “A medicina integrativa é uma revisão no conceito de saúde. Antes, a formação médica era muito focada em doenças e, por isso, o olhar global para o desenvolvimento infantil ficava comprometido”, explicou o pediatra.

Ele também ressaltou quais são as diferentes etapas da infância dentro do processo de amadurecimento da criança e como é importante compreendê-las: “A primeira infância é dedicada ao movimento e à percepção sensorial. É ela que garantirá o impulso da vontade de viver para o resto da vida. Na segunda infância, ocorre o aprimoramento da inteligência emocional, que é fundamental para o desenvolvimento das relações interpessoais. A terceira etapa, que se manifesta mais concretamente na fase próxima à adolescência, é mais dedicada à inteligência cognitiva.”

Para o pediatra, apenas esta última fase é favorecida no processo educacional do país. “No século 21, privilegiou-se a inteligência cognitiva. Segundo esse entendimento, o que importa é que se forme adultos inteligentes, mas não com bom senso estético, tampouco com boa relação com seu corpo e com sua percepção sensorial”, lamenta.

Para finalizar, ele destacou quais são as consequências do modo de vida da sociedade atual, em que as crianças são desestimuladas a entrar em contato com o outro e com a natureza. “A criança que está desconectada com a natureza vai desenvolver naturalmente déficit de atenção e hiperatividade. Hoje, 85% das crianças do mundo estão em cidades, sem conseguir ter a possibilidade da expansão corporal e sensorial plena”. 

Assista ao debate na íntegra:

 likes
Share this post:
  • Junelise disse:

    Fabuloso. GOSTEI MUITO de ouvi-lo. esclarecedor em vários aspectos e reafirmou algumas questões pra mim. sou professora e atualmente jardineira trabalhando com crianças pequeninas. Vou compartilhar com os nossos pais e mães. espero que mais pessoas possam se interessar e tentar transformar o seu estilo de vida para termos um mundo futuro com adultos menos doentes e com crianças desde pequeninas cheias de saúde! oxalá consigamos! gosto muito do trabalho de vocês. MUITO GRATA.

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Palavras: 408

    Archives

    > <
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec
    Jan Feb Mar Apr May Jun Jul Aug Sep Oct Nov Dec